(61) 2101-6095

(61) 2101-6609

30 de julho de 2021

Guia lançado nesta semana traz experiências dos 17 ODS conectados ao planejamento urbano

2 guia ods8O Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) lançou o segundo volume do Guia de Boas Práticas da Agenda 2030 e seus 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) durante o Congresso Mundial de Arquitetura, realizado nesta semana na cidade do Rio de Janeiro. O material tem como objetivo tornar tangível como o ambiente construído interage com esses objetivos e inspirar agentes e lideranças locais interessadas a se envolverem com os desafios.

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) apoia as ações de sensibilização e a implementação da Agenda 2030 e tem incentivado iniciativas que fomentem boas práticas sobre o tema. A área de Planejamento Territorial e Habitação da entidade destaca que o guia é inovador, na medida em que apresenta boas práticas de planejamento urbano conectadas a vários objetivos e metas para compreender a transversalidade dos 17 ODS no que se refere ao urbanismo.

Vale destacar que a entidade apoia a iniciativa e recomenda também a leitura do primeiro volume do Guia, lançado no início deste ano. Os 17 ODS que reúnem a Agenda 2030 são objetivos que tratam de temas de interesse municipal por buscar melhorar a qualidade de vida da população global, com metas específicas nas áreas da Saúde, Educação e Assistência Social e Meio Ambiente.

Atuação da CNM
Faltam nove anos para o cumprimento das metas da Agenda 2030 pelos países signatários do acordo. Como forma de apoiar os Municípios, a CNM trabalha desde 2016 com a Agenda 2030 e os seus 17 ODS e a Nova Agenda Urbana para auxiliar os gestores interessados na adesão desses objetivos e as suas 17 metas.

A entidade organizou eventos, desenvolveu ferramentas e produziu materiais técnicos. Um deles é oGuia para integração e a publicação Nova Agenda Urbana e os 17 ODS. A CNM também disponibiliza a Mandala ODS, que possibilita tanto aos administradores das cidades quanto aos cidadãos diagnosticar, monitorar e avaliar o desempenho referente ao nível do alcance da Agenda 2030 por meio de quatro dimensões: institucional, econômica, ambiental e social.



Da Agência CNM de Notícias 

Voltar