(61) 2101-6095

(61) 2101-6095

12 de dezembro de 2018

Oficina Internacional de Implementação dos ODS chega ao fim após dois dias de intenso debate

12122018 ODS 2Após dois dias de intenso debate, chega ao fim a Oficina Internacional Implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) - Taller Internacional de Implementación de los Objetivos de Desarrollo Sostenible, que contou com a participação de técnicos e gestores locais da América Latina e de representantes de organismos e entidades internacionais.

Durante a tarde desta quarta-feira, 12 de dezembro, foram desenvolvidas seis atividades. A representante da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), Socorro Martins, discorreu sobre a elaboração do plano de ação da Comissão Nacional dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (CNODS) brasileiro.

Já o representante da União de Cidades Capitais Ibero-Americanas (UCCI), Marcelo Arroyo, expôs a experiência da implantação dos ODS no setor de Transporte e Mobilidade de La Paz (Bolívia), em consonância com a realidade geográfica local, já que a cidade está em uma altitude que varia de 3632 metros a mais de 4000 metros acima do nível do mar em uma superfície de 3 mil quilometro quadrados.

A coordenadora de Desenvolvimento Humano do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento no Brasil (Pnud Brasil), Samantha Salve, trouxe à baila a iniciativa de localização dos ODS municipais no Brasil. “Em 2016, quase não havia publicações sobre ODS e Municípios. Diante dessa realidade, lideramos uma iniciativa com 54 Municípios do Oeste do Paraná, que é uma região muito focada em cooperativismo. Escolhemos envolver essa região e contamos com o apoio da empresa pública Itaipu Binacional para criar e lançar uma plataforma inédita de acompanhamento dos ODS em nível municipal”, detalhou Salve.

Ela também destacou que, mesmo com um perfil semelhante entres os 24 Municípios envolvidos, tanto o setor produtivo local quanto o setor público local foram os propulsores no desenvolvimento sustentável e que os ODS não são caixas separadas. “Hoje, dispomos de uma ferramenta que ajuda a perceber como as secretarias municipais precisam trabalhar em conjunto para desenvolver os ODS. Temos 67 indicadores que geram relatórios automáticos para cada um deles, e um relatório resumido de até cinco páginas sobre como está o desenvolvimento dos ODS. É útil não só para a tomada de decisão dos gestores locais como para o controle social da comunidade”, concluiu.

O consultor da Confederação Nacional de Municípios (CNM) Eduardo Stranz apresentou o projeto Mandala ODS desenvolvido pela entidade. “Pegamos os 1700 indicadores apontados pelo Pnud, separamos 28 deles, divididos em quatro quadrantes (econômico-sustentável; social; ambiental; e institucional) e agrupamos os Municípios com perfis semelhantes. Assim, é possível haver, não só possibilidades de comparação entre os pares equivalentes, como identificar que áreas precisam de atenção. Também é possível fazer projeções sobre como determinados investimentos podem impactar nos ODS ao longo do tempo”, disse.

Por fim, o assessor da Unidade de Assuntos Internacionais da Associação Chilena de Municípios (Achm), Rodrigo Olivos, deu uma perspectiva geral de como anda o tema de ODS na Achm, como começou, o que já fizeram, e o que pretendem fazer. Também aproveitou a Oficina para divulgar o Congresso Latino-Americano de Autoridades Locais, que será realizado de 27 a 29 de março de 2019, em Santiago de Chile, com o tema “Uma nova agenda para a América Latina e o Caribe”. Olivos acredita que se trata de mais uma oportunidade para reunir o grupo da oficina e aprofundar o debate sobre a localização dos ODS municipais. O encontro é organizado pela Federação Latino-Americana de Cidades, Municípios e Associações de Governos Locais (Flacma) e conta com o apoio da CNM.

Ao final da Oficina, os participantes tiveram um tempo para propor os próximos passos relacionados a temática de localização dos ODS municipais no âmbito da América Latina e a integração de dados e tecnologias já disponíveis para amplificar a ação dos governos locais e par ao fomento de novas iniciativas a partir do retrato atual.

Por Luiz Philipe Leite
Foto: Jefferson Viana
Da Agência CNM de Notícias

Voltar